Se não houver vítimas, envolvimentos de terceiros ou perda total, não. Mas o recomendável é fazê-lo sempre.